domingo, 19 de fevereiro de 2012

Comidinhas 3

http://www.jogosdabarbi.org/habilidade/shirimp-mango-salad/
Esta semana recebi a feliz notícia que o companheiro Gustavo Pessoas, o Guga, está empreendendo no ramo da alimentação, oferecendo a Garanhuns uma nova opção em alimentação saudável. Pelo que pude acompanhar até agora Kefi Saladas é a realização de um prazer desse meu amigo professor. Nos últimos anos, Gustavo engordou um bocadinho, principalmente durante a gravidez de Marcella. Depois que Daniel, o primeiro filho do casal nasceu, ele decidiu mudar de hábitos alimentares para reduzir um bocadinho o peso, optando por uma alimentação saudável a base de saladas. Tudo isso venho acompanhando pelo Facebook, e o que seria de mim aqui do outro lado, sem as redes sociais? É pela telinha do "Vermelho" ou do "João" (nossos dois computadores) que participo do cotidiano de meus queridos companheiros. E engraçado, esta nossa temporada portuguesa serviu para me aproximar de algumas pessoas, que convivia "assim, assim" e mediados pela tecnologia. Guga foi uma dessas pessoas lindas que as TIC me proporcionou uma convivência mais estreita, assim como Ricardo Oliveira, amigos potenciais separados pela correria das salas de aula. E o que dizer sobre  Teko Guimarães,  que estudou comigo apenas um semestre e neste último verão se tornou minha alma gêmea virtual? Tem gente que não encontrava há um milênio, como Iara Helena, e há um milênio e meio, como Delanie, que estudou comigo na 4ª série. Tem até que nem conheço pessoalmente, mas que fazem do meu quotidiano. Se me faltam Ed Cavalcante e Lígia Beltrão, alguma coisa está torta nesse dia.

Mas, a intenção é falar em comida. Confesso que este ano e alguns meses me engoraram um bocado. Pela balancinha do banheiro (casa de banho), são exatos 6 quilos. Mas, acho que as balanças daqui são bem generosas, pois parece-me que pesamos menos no hemisfério norte. Tenho plena consciência que o que me falta é o exercício físico, pois quando sai do Agreste, praticava caminhada e hidroginástica. E aqui, nada. Só leitura e escrita. Mas, Portugal engorda e quem quiser fazer dieta aqui tem que ter muita fé. Os queijos, enchidos, as porções extra G de batatas fritas são verdadeiros terrores à linha da cintura. E os doces? verdadeiros atentados aos quadriz e à área interna das coxas. Pães, há de todo tipo e qualidade, se não gostar de um, há 10 na fila para serem provados. Uma coisa horrível, a gastronomia portuguesa. Como não dá para comer sempre na rua por conta do câmbio flutuante, na virada do ano recebemos um presente (de grego!) do governo aumentando o  IVA na restauração (um imposto que se paga nos serviços de alimentação) de 6% para 23%. Assim, tive que me virar para melhorar meu rendimento na cozinha, setor que definitivamente não tinha muita competência.

Esta minha falta de habilidade culinária foi forjada às custas de muita escora nas minhas irmãs. Como eu tenho 6 irmãs e sou a sétima, sempre ficava por ali, na tapiação, enquanto elas cozinhavam. Cada uma tem uma especialidade, e a minha era comer o que elas faziam. Somente depois que sai de casa é que tive que me virar para não morrer de fome. E sozinha, diga-se de passagem. Eu poderia ter me casado com um cara como Paulo Tenório. Mas, "Paulos" não se faz em série, e quem casou com ele foi Neide. Eu me casei com Tony, que frita um ovo e  com bacon e faz um café solúvel que é uma beleza. O jeito foi "desenrolar no cacete, que nem cobra", e lá fui eu enfrentar as facas e panelas. E não é que por forças das circunstâncias, até que tenho melhorado? Como diria minha velha mãe, o melhor mestre é a necessidade. Já tenho até uma receita de camarão! Pois, gente "coisa" é outra "fina"! É assim:

Vá lá ao mercado de sua preferência e compre um saquinho de camarões. Nós compramos sempre o miolo de camarões, pois o trabalho de tirar cabeça e carapaça, lavar e separar o tal miolo não vale a pena, suja tudo e espeta os dedos. Se não estiver congelado, coloque-os numa cumbuca (aqui diz-se taça) e tempere com sal e um bocadinho de limão, se tiver. E se quiser, coloque pimenta preta. Eu prefiro não arriscar, para não desgraçar tudo.

Corte pequenino a cebola, pimentão (pimento) verde e vermelho (só para ficar bonitinho) e tomate. Numa assadeira (tacho) esquente o azeite e deite a cebola. Quando a cebola estiver translúcida, coloque uns pedacinhos de bacon picados. Cuidado para não queimar. Depois, coloque o resto das verduras cortadinhas. Se tiver coentro ou salsa, coloque uns raminhos. Aqui eu não uso pois não vou dar 1 euro em um pé de coentro. Coloque os camarões e deixe-os em paz, em fogo médio.

Enquanto isso, cozinhe de leve uma porção de ervilhas e cenouras baby (se não tiver, cenoura normal serve.  As cenouras baby são mais bonitinhas e mais práticas, pois vêm prontas para cozer) . Sobre ervilhas, um aparte: aqui vendem-se umas sacas de ervilhas congeladas, que são ótimas e bem baratinhas.  Aquelas ervilhas em  conserva, esqueça-as. São horríveis. Não deixe as cenouras e as ervilhas cozinhar muito, não ficam boas. Quando estiverem tenras, resistentes a uma espetadela de garfo, escorra-as e junte aos camarões no tacho ao lume (na assadeira no fogo!).

Coloque os cogumelos (compro-os laminados em latas pequenas, já vem cortados é mais prático e mais barato. As latas grandes são para grandes famílias, felizmente a indústria européia produz embalagens que atendem à famílias pequenas, assim evita-se o desperdício), o milho verde e a azeitonas (compramos umas sem caroço, recheadas com pimentos vermelhos, gostosas). Coloque mais um bocadinho de azeite e deixa lá um pouquinho para que os ingredientes tomem gosto. Por fim, misture com tudo umas duas colheres de sopa (sem miserê) de cream chease. Requeijão dá no mesmo. Se estiver de dieta, elimine o queijo, fica gostoso também. Sirva com arroz branco e um purê de batatas básico. Dá um bom almoço. 

Fica bom, e olhe que o meu controle de qualidade é rigoroso. Tony contribuiu com o nome do prato: "Camaronês aveirense".  Com um pouquinho de boa vontade, uma boa dose de necessidade  já começo a acreditar que é possível dar  jeito até num desmantelo culinário como eu! Tá certo que o importante "é o que sai da boca do homem", mas o que entra não custa ser gostoso e, se possível, menos calórico. Assim, todos ficam todos ficam felizes de corpo e alma.

Saudade de hoje: de Vilma. Ela olha assim para as panelas e faz cada comida para comer rezando. Eu chego lá!

Até amanhã, fiquem com Deus.          

14 comentários:

  1. Nesse momento em Garanhuns ta frio e o clima de carnaval da uma preguiça boa! Uso a internet pra me atualizar e me dou de cara com esse post na hora que estou morrendo de fome! assim não dá! kkk
    abraços virtuais!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk! foi bem na hora, hein, Danilo?! Bjos!

      Excluir
  2. Cecília, obrigado pela citação. fico lisonjeado, verdade. Quanto as suas "habilidades" culinárias, devo dizer que cozinhar depende de dom, é como tocar violão, interpretar. Eu, por exemplo, aprendi a fazer uma bela lasanha e só. É como aquele cara que ensaiou a vida inteira pra tocar bem uma música no piano.

    Bjin

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hehehehe, eu também só sabia fazer lasanha. Até o feijão tinha gosto de lasanha! Mas, a necessidade forçou a abertura de novos caminhos. Quem não tem o dom, demora mais, queima mais, estraga mais, mas acaba aprendendo. Bjos!

      Excluir
  3. Oi Aninha, fiquei com água na boca com a receita do Camaronês aveirense...obrigado pela citação,gosto de cozinhar e principalmente de comer! um beijão em todos aí!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem um talento raro, Paulo. Deverias ter um restaurante. Beijos e saudades.

      Excluir
  4. Iara Helena R.M. Veloso19 de fevereiro de 2012 23:03

    Aninha, você não imagina a alegria que tive quando te reencontrei , depois de um milênio sem nos vermos e ainda, continuamos sem nos ver ( rsrsrsrs) pois nosso reencontro , foi virtual (heheheheh) e com certeza , puro e verdadeiro , igualzinho quando nos conhecemos e convivemos num período curto mas suficiente para marcar nossas vidas.
    Assim como você, nunca fui muito chegada a umas panelas, muito menos a cozinha. Assino em baixo as palavras da sua mãe “o melhor mestre é a necessidade” e acrescentaria: o tempo é nosso grande aliado, ele nos proporciona a experiência necessária, para aprendermos aquilo que jamais imaginaríamos um dia conseguir fazer. Hoje posso dizer, com muito orgulho( rsrsrsrsr) aprendi um pouquinho da arte de cozinhar e sem dúvida diria que o “dom” existe, mas experiência é o grande aliado do excelente chef de cozinha. No meu caso, foi a necessidade ( rsrsrsrs) aliada a experiência.
    Adorei sua receita e vou fazer por aqui, também adorei sua citação. O tempo que convivemos foi curto e o tempo que passamos distante foi longo, o importante é que somos pessoas verdadeiras e temos alguns pontos de pensamento em comum, além claro de você ser a esposa de um querido amigo meu. Beijos no coração, com saudades, curiosidade de revê-la e ver que aquela menina ( kkkkkkkkkkkk) assim como eu, se transformou numa grande mulher.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queridíssima:
      obrigada pelas lindas palavras, sei que são inteiramente sinceras. Acredito na experiencia como mãe da aprendizagem, e na cozinha, é necessário arriscar a queimar, desandar, salgar, estragar, até encontrar o jeito certo. É preciso assumir os riscos para aprender. Beijos carinhosos!

      Excluir
  5. Que delícia de receita, Anninha! Lembre-se que você faz uma salada de feijão verde sem igual, só Vilma consegue fazer uma tão boa. Beijos, beijos, beijos e saudades de vocês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É! existe o feijão verde para além da lasanha nossa de cada dia! E assim vamos aumentando o cardápio.
      Em junho/julho faremos um feijão com galinha lá em casa para matar as saudades. Beijooooo!

      Excluir
  6. Ah,Anninha! saudades tb de vc!
    Gosto muito de fazer comidinhas diferentes. Nao gosto de cozinhar como obrigação , todo dia!
    Esses dias tenho preferido comprar tudo pronto!
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas, Vilma. Tem algo pior do que fazer malabarismo culinário para contornar a ausência de ingredientes essenciais? Um saco!
      Mas, aquele bolo de banana que tu fazes é inigualável. Bom demais!
      Bjoooo!

      Excluir
  7. Anna, valeu pela citação e divulgação, já teve gente me procurando dizendo que viu aqui. kkkkkk.
    Ah! cheguei aos 100kg, foi quando comecei o regime e já estou com 85kg, quero chegar aos 78kg e como sou minha melhor propaganda não posso mais engordar. kkkkkkkkkkkkkk.
    E realmente precisou vc ir para longe, para poder nos conhecermos melhor.

    tudo de bom e grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Divulgação inteiramente descompromissada e confiante no qualidade do produto. Fiquei muito feliz pois você saiu do âmbito do plano de negócio e concretizou a ideia. Além disso, deixas de nos torturar com a foto dos pratos no FB. Muito sucesso, amigo!

      Excluir